Portugal identifica 24 das 64 vítimas de incêndio florestal

SÃO PAULO  -  (Atualizada às 18h50) A ministra da Administração Interna de Portugal, Constança Urbano de Sousa, afirmou nesta segunda-feira que 24 das 64 vítimas do incêndio florestal que atingiu o centro do país foram identificadas.

De acordo com a ministra, um francês está entre as vítimas. Um bombeiro que trabalhava no combate ao incêndio também morreu.

Segundo o português "Jornal de Notícias", uma criança de quatro anos e seu tio foram as primeiras vítimas a serem reconhecidas. O menino Rodrigo Rosário passava férias na casa de Sidel Belchior, de 37 anos, quando foi surpreendido pelo incêndio que atingia Pedrógão Grande, na região de Leiria, no centro de Portugal.

Ao tentarem fugir, o carro em que eles estavam se envolveu em um acidente com outro veículo. Rodrigo e Sidel chegaram a sair do carro, mas foram cercados pelas chamas. Os pais do menino estavam de lua de mel em Cabo Verde no momento da tragédia.

Fora de controle

O incêndio que atinge a região central de Portugal ainda não está controlado. Atualmente, há vários focos de incêndio no país, que vive um momento de poucas chuvas e altas temperaturas. Segundo as autoridades do país, cerca de 2.000 pessoas trabalhavam na manhã desta segunda no combate aos incêndios.

O balanço das perdas ainda não está fechado. Até agora, são pelo menos 64 mortos e dezenas de feridos e desabrigados.

Números que, segundo o próprio primeiro-ministro português, António Costa, devem aumentar à medida que os bombeiros e as autoridades policiais forem conseguindo chegar às áreas atingidas, muitas delas de difícil acesso.

Das vítimas das chamas, 47 estavam na rodovia nacional 236, que ganhou a alcunha de "estrada da morte" entre os portugueses. As pessoas acabaram encurraladas pelas chamas e sucumbiram em um trecho de cerca de 500 metros da via.