Borgonha não combina com barganha

Juntando o útil ao útil, além do agradável, em meu recente programa pela Borgonha em busca de vinhos fora das badaladas Côte de Nuits e Côte de Beaune, após ser recebido pela régisseur dos Hospices de Beaune, Ludivine Griveau (tema da coluna há duas semanas), emendei com uma visita para conhecer de perto o trabalho de um dos "vignerons" contratados pela lendária Instituição, peça fundamental no processo para que seus celebrados rótulos alcancem a qualidade esperada. Coincidentemente, logo após minha conversa, Madame Griveau receberia o grupo de 23 vinhateiros que tomam conta dos vinhedos dos Hospices para definir o roteiro inicial de trabalho nas vinhas.