2

Mercado vê deflação em junho e revisa IPCA de 2017 e 2018 para baixo

Por Ana Conceição | Valor

SÃO PAULO  -  O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve registrar deflação de 0,07% em junho, conforme previsão dos analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) no Boletim Focus. Se realizado, será o primeiro resultado negativo do indicador para qualquer mês desde junho de 2006.

O mercado ainda reage à divulgação do IPCA de maio, que, ao marcar alta de 0,31%, ficou bem abaixo da média esperada, de 0,46% de aumento, e teve a menor taxa para o mês desde 2007. Esse resultado desencadeou uma série de revisões - no Focus anterior, por exemplo - a expectativa para o IPCA tinha saído de alta de 0,20% para zero. Agora, a projeção é de deflação.

Os analistas Top 5 - que mais acertam as previsões - veem uma queda ainda mais pronunciada para o IPCA no mês, de 0,16%. Na semana anterior, a expectativa era de baixa de 0,11%. Para julho, esse grupo cortou a projeção de aumento 0,25% para 0,06%. A expectativa do mercado em geral para julho é mais tímida - saiu de 0,25% para 0,23% de alta.

O Focus mostra que as previsões para a inflação deste ano e do próximo também continuam a diminuir, se distanciando ainda mais da meta de 4,5% perseguida pelo BC. A expectativa para o aumento do IPCA de 2017 foi de 3,71% para 3,64% e a de 2018, de 4,37% para 4,33%. Em 12 meses, a projeção passou de 4,49% para 4,48%. Entre os analistas Top 5 de médio prazo, as revisões foram de elevação de 3,51% para 3,50% e de 4,19% para 4,16%, respectivamente.

Quanto aos juros, a mediana das estimativas para a Selic ao fim deste e do próximo ano permaneceu em 8,50%. O Top 5 ajustou a aposta deste ano de 8,38% para 8,50%, mas manteve os 8% para o fim de 2018.

Atividade

Com relação à atividade econômica, os analistas reduziram pela segunda semana a expectativa de crescimento deste ano, de 0,41% para 0,40%. Para 2018, a projeção saiu de 2,30% para 2,20%.

A previsão para o avanço da produção industrial de 2017 tem sido revista para baixo de forma expressiva - no Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira, passou de 0,94% para 0,60%. Há um mês, estava em 1,30%. A previsão para 2018 continua em 2,50% de expansão.

(Ana Conceição | Valor)