13

Economia brasileira ensaia retomada com alta de 0,28% em abril, vê BC

Por Eduardo Campos | Valor

BRASÍLIA  -  Depois do desempenho negativo no fim do primeiro trimestre, a economia ensaiou uma tomada de tração em abril na métrica do Banco Central (BC). O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) subiu 0,28%, após queda de 0,40% em março — valor revisado da retração de 0,44%. Com a revisão, o crescimento do primeiro trimestre subiu de 1,12% para 1,19%, em comparação com os três últimos meses de 2016.

Nos 12 meses encerrados em abril, há retração de 2,75% na série sem ajuste e baixa de 2,66% no dado ajustado. Devido às revisões constantes do indicador, o IBC-Br medido em 12 meses é mais estável do que a aferição mensal, assim como o próprio Produto Interno Bruto (PIB). Em comparação com abril de 2016, o recuo foi de 1,75% na série sem ajuste, mas foi registrada alta de 0,51% com ajuste. No ano, a atividade econômico registrou queda de 0,44% sem ajuste e baixa de 0,14% com ajuste.

Os resultados vieram piores do que o esperado pelos agentes de mercado. A média das projeções feitas por 17 instituições financeiras ouvidas pelo Valor Data sugeria alta de 0,41% no mês. As estimativas variavam entre estabilidade e alta de 0,9%.

O comportamento do indicador no mês de abril foi influenciado pela alta de 1% tanto do varejo quanto do volume de serviços e por um aumento de 0,6% da produção industrial.

Para 2017, o mercado estima crescimento de 0,41% do PIB, o BC trabalha com alta de 0,5%, mesmo percentual do Ministério da Fazenda.

Embora seja anunciado como “PIB do BC”, o IBC-Br tem metodologia distinta das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador do BC leva em conta a trajetória das variáveis consideradas como bons indicadores para o desempenho dos setores da economia (agropecuária, indústria e serviços). A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores acrescida dos impostos sobre produtos. O PIB calculado pelo IBGE, por sua vez, é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país durante certo período.